trindade

O Sitio Histórico e Arqueológico da Trindade situa-se na localidade com o mesmo nome, nos limítrofes do concelho da Praia, caracterizada pela relativa abundância de água que a montante nasce no Pico de Antónia. Esta particularidade hídrica permitiu que já nos meados do século XVI, fosse uma das mais prósperas fazendas da ilha de Santiago.

A primeira referência histórica diz-nos, que nos inícios do século XVI, as terras na ribeira da Trindade pertenciam a proprietários que integravam a elite dos “vizinhos” de Ribeira Grande. A carta de D. João III, em 1540 atesta que o cavaleiro fidalgo, Fernão Fiel de Lugo, comprou propriedade fundiária pertencente a esses “vizinhos” aos quais constituiu a fazenda da Trindade. A mesma carta confirma, ainda, que o mercador e antigo almoxarife da vila da Praia instituiu o morgadio vinculando duas fazendas situadas nos arredores da vila da Praia – a Trindade e a Santa Cruz.  

A fazenda de Trindade estendia-se por duas léguas de comprimento e meia de largura, e de acordo com o tombamento de 1540 compreendia: uma ermida da Santíssima Trindade; dois engenhos de trapiches de fazer açúcares; suas casas de morada e casa de engenhos; três tanques de água de pedra e cal; um curral com duzentas vacas parideiras; um curral de cabras; cerca de cinquentas éguas; cinquenta escravos entre machos e fêmeas. A principal cultura era a cana-de-açúcar, o que exigia complexas obras de irrigação, não obstante, a existência de pomares e hortas onde se cultivava todos os frutos da terra. A consolidação da Fazenda da Trindade juntamente com a de Santa Cruz era uma evidência, pois, por esta altura, as duas fazendas rendiam cerca de 600$000 reis anuais.

Em 1832, o naturalista Charles Darwin visitou a localidade aquando da sua passagem por Santiago, tendo supostamente deixado uma inscrição numa árvore centenária africana, designada de baobá.

Até aos meados do XX, serviu de espaço de recreio e diversão por onde se dirigiam nas manhãs de domingos e feriados os mais abastados da Praia, procurando refúgio e contacto com a natureza verdejante. Não é de estranhar que por duas vezes recebeu no seu seio dois chefes de estado: o General Carmona e o General Craveiro Lopes. A escassez de água e as dificuldades de acessibilidade concorreram para o refreamento das visitas da população praiense à localidade.

Deste modo, o complexo patrimonial que o Sítio arqueológico de Trindade alberga, espelha as diferentes fases da ocupação da fazenda, concorrendo eminentemente para formação da nossa memória coletiva que nos une, e reforça os nossos laços identitários.